The Outer Worlds – [Análise Do Arena]

Uma aventura espacial recheado de elementos clássicos de RPG!

Assim como a pizza de mussarela com calabresa não tem erro, a combinação de RPG e Ação não é nenhum problema para The Outer Worlds que consegue executar com maestria os elementos de um bom RPG, trocas de tiro e exploração.

Isso é devido a enorme experiência em jogos do gênero já que estamos vendo, como uma nova produção surgindo dos mesmos desenvolvedores por trás dos primeiros jogos da franquia Fallout e do tão aclamado Star Wars KOTOR II

Porque não aceitar a proposta de hibernar durante 10 anos enquanto se desloca para o espaço em uma colônia chamada de Bonança? Bonança é completamente controlada pelas grandes organizações com a proposta de emprego garantido em uma sociedade perfeita, tudo isso em uma fração de segundos.

O que de pior poderia acontecer? Não conseguirem reviver os tripulantes da nave Esperança ou simplesmente se perder do percurso… E, pois é, infelizmente isso que acontece.

War, war never changes …” e realmente não mudam! Grandes organizações lutando ferozmente com propagandas agressivas trazendo diversos produtos um tanto quanto questionáveis sobre as necessidades reais de se ter aquilo, além, é claro, de ter pessoas trabalhando em situações precárias de serviço.

Como é citado por uma personagem no jogo: “Temos direito a ter 8 horas de sono durante o dia, mas nada garante que serão 8 horas consecutivas de sono”.

E neste mérito de mostrar a qualidade de vida de diversos trabalhadores, você percebe as similaridades com um mundo onde vivemos – desde pessoas infelizes com o que fazem, até cidadãos que possuem capacidade de desenvolver uma tarefa de maior relevância e estão meramente jogados em uma máquina em um canto de uma grande fábrica realizando atividades monótonas.

Fugir dessas responsabilidades seria a solução? Talvez, mas consequências vem a tona e cabe a você decidir o destino de muitas pessoas. Nem sempre o melhor para alguns, seja o melhor para todos. O fato é que em The Outer Worlds você, dificilmente, irá conseguir agradar a todos.

O peso das escolhas feitas durante o jogo podem alterar completamente o rumo da história e isso já era de se esperar de um RPG desenvolvido pela Obsidian. Entretanto, algumas escolhas podem fazer com que o jogador reflita sobre o que é mais importante colocando em desavença os seus princípios. Obviamente, o jogador posiciona em primeiro lugar os propósitos do seu personagem, mas escolher entre encerrar o fornecimento de energia elétrica para uma das cidades por conta da necessidade de uma peça, pode trazer um peso muito grande na hora da tomada de decisão e, após feita a escolha, entrar na área afetada pode ser ainda mais complexo… Ver a situação em que se encontra o local após a sua escolha, se você interagir com os moradores, vai te fazer entender o porquê de eles estarem naquela condição.

Com diálogos carregados de enormes textos e fontes pequenas, o que pode ser um tanto quanto desconfortável, é capaz que seja um trabalho árduo para jogadores que não possuem o hábito de explorar jogos desse gênero. Todavia, há uma recompensa por se manter atento durante as conversas e conseguir realizar escolhas que realmente possam lhe favorecer a evitar conflitos ou até mesmo de resolver alguns obstáculos de uma forma mais descomplicada.

Perder a concentração durante a fala de um NPC pode acarretar em péssimas escolhas, mas existe a possibilidade de verificar o histórico das conversas e das escolhas feitas.

O drop de itens é importante, mas não tanto assim a ponto de prender o jogador a sair a procura de um item específico que será imprescindível lá na frente do jogo.

Encontrar uma arma que em que o jogador se ajuste bem e montar uma variação de armamentos é bem importante para os conflitos. A quantidade de armas pode ficar ainda maior com a possibilidade de realizar customizações que podem ser feitas em alguns balcões nas grandes cidades, por exemplo, e também pode ser feito um upgrade para que sua arma favorita não fique obsoleta em comparação com os seus equipamentos atuais ou com o poderio de fogo dos seus inimigos.

Mas fique atento! As armas e armaduras podem se danificar e perder sua qualidade, então sempre mantenha os seus equipamentos consertados.

Em determinados momentos do jogo, o seu personagem pode ser diagnosticado com uma falha opcional, como por exemplo aRobofobia”, onde o mesmo sente calafrios ao enfrentar automecanóides e perde alguns pontos como destreza e percepção. Em troca, é recompensado por um ponto de talento, mas fica por conta do jogador aceitar ou não.

Os pontos de atributos podem lhe conceder melhor maestria na utilização de armas de longo e curto alcance como também lhe trazer mais conhecimentos científicos, que podem ser extremamente úteis na hora de responder alguns NPCs, assim como a persuasão que é muito importante em jogos como esse.

O jogo diverte bastante, o humor peculiar pode ser um grande atrativo mesclando com um bom RPG recheado de ação nos momentos certos, mesmo no pequeno mundo aberto em que o jogo oferece.

Você pode ir conhecendo a vida das pessoas que habitam diversos planetas e cidades diferentes, observando o quão grande é o nível econômico e social das pessoas. Em paralelo, você ainda acompanha as falsas promessa do Conselho para a população, mas mesmo assim os desenvolvedores do jogo ainda conseguem colocar você em dúvida sobre em quem acreditar e arriscar. Confiar em seus princípios até o fim pode lhe trazer um final não tão satisfatório.

Além disso é possível se aproximar cada vez mais dos seus companheiros, que vão se juntando ao longo da sua viagem, e poder conhecer seus sonhos e ambições e, assim, julgar se tais objetivos se encaixam com os seus. Caso contrário, você pode facilmente fazer com que aquele personagem não faça mais parte de sua equipe.

9
Incrível

Análise do Arena

The Outer Worlds é um RPG com uma identidade visual própria, demonstrando originalidade com a utilização de mecânicas já conhecidas, trazendo uma sensação de inspiração em jogos já desenvolvidos pela Obsidian.

  • Jogabilidae 9
  • Gráficos 8
  • História 10
Você pode gostar também