Marvel’s Guardians of the Galaxy – [Análise do Arena]

Marvel’s Guardians of the Galaxy conseguiu surpreender positivamente com um grande jogo de heróis

A Eidos Montréal junto da Square Enix trazem sua nova versão dos Guardiões da Galáxia da Marvel para os videogames. Na trama controlamos Peter Quill, também conhecido por Senhor das Estrelas, se envolvendo em diversas confusões para tentar resolver confusões uma atrás da outra para literalmente proteger a galáxia.

Guardiões da Galáxia da Marvel começa depois de doze anos da grande Guerra Galáctica que envolveu diversos grupos e povos incluindo a Tropa Nova para proteger o universo da ameaça do titã louco, Thanos. Após estes acontecimentos já encontramos o grupo de Peter Quill formado, com Rocket Racoon, um ser construído no Meio Mundo por cientistas Kree, Groot o último ser de sua espécie conhecida por Flora Colossus, Drax o Destruidor que neste universo é conhecido por ter cumprido a sua vingança, e Gamora a filha de Thanos. A mesma formação apresentada pela Marvel Studios nos cinemas. 

O grupo se encontra em uma missão na Zona de Quarentena para capturar uma criatura para Lady Hellbender que tem uma vasta coleção de diversas feras alienígenas, entretanto o espaço é restrito por conter destroços da guerra e artefatos perigosos ainda não identificados pela Tropa Nova que considera o ato de invadir o local como um crime espacial. Como é de se esperar os Guardiões da Galáxia terminam sendo pegos pela Tropa Nova, que já não são mais os mesmos da guerra com uma equipe bem reduzida, mas para o azar de Peter Quill, sua ex namorada Ko-Rel que é a atual líder da frota que o capturou, porém ela reconsidera manter sua equipe presa e dá uma chance para eles se redimirem, é claro pagando uma multa de 9 mil unidades (uma grande quantidade de dinheiro espacial) em apenas três ciclos, e é aí que começa a aventura dos heróis espaciais, que agora devem encontrar um meio para arrecadar tamanha quantia monetária.

Guardiões da Galáxia da Marvel tem uma grande carga dramática ao relembrar do passado de Peter Quill que neste universo tem mais referências com as histórias em quadrinhos, no entanto ainda com um pouco do que vimos nos cinemas, porém com uma versão mais roqueiro do jovem Quill que tem como banda favorita a StarLord que é o que influencia a escolha do seu nome de herói no futuro. Também conhecemos melhor a mãe de Peter, Meredith Quill que se mostra bastante presente nas lembranças do nosso Guardião da Galáxia. Esses momentos o jogo apresenta uma imersão interessante nos colocando em uma perspectiva em primeira pessoa quando visitamos o passado do Senhor das Estrelas.

Já na dentro da nave Milano controlamos o Peter que pode interagir com os demais membros dos Guardiões da Galáxia e conforme progredimos na história e coletamos alguns itens coletáveis na campanha que acabam fazendo com que os outros integrantes dos Guardiões da Galáxia comentem mais sobre seu passado e até os seus hobbies nas horas vagas o que torna a trama do jogo mais profunda, por mais que já conhecemos os personagens dos filmes, eu acabei me apegando ainda mais a versão dos personagens do jogo que tem pontos bem diferentes do que já conhecíamos antes.

Guardiões da Galáxia da Marvel é um jogo linear de exploração dividido por capítulos onde controlamos somente o Senhor das Estrelas mas podemos acionar assistência dos demais personagens que possuem golpes diferentes durantes as batalhas que após serem utilizados têm um determinado tempo para poderem ser utilizados novamente, mas também podemos usar habilidades específicas para poder prosseguir na história ou acessar áreas escondidas para encontrar Componentes para criar modificadores que dão alguns bônus ou aumentam a defesa de Quill e visuais que são baseados em uniformes já apresentados ao longo dos anos nas histórias em quadrinhas, tem como ver a primeira aparição do uniforme e em qual história em quadrinho brasileira ela apareceu, os visuais podem ser trocados a qualquer momento no menu do jogo. Cada personagem possui quatro habilidades, a primeira já vem liberada, mas as demais devem ser compradas com os Pontos de Habilidades, após cada batalha recebemos pontos para de experiência e a cada level recebemos um ponto que são compartilhados entre todos os guardiões da galáxia, por isso é bastante interessante observar o que cada habilidade faz e qual é a mais eficiente para o seu estilo de jogo.

O combate controlando o Senhor das Estrelas é bem divertido, onde podemos mesclar a utilização das armas de Quill com alguns socos, ao decorrer da história o protagonista terá a opção de alterar o tipo de disparo que sua arma irá efetuar, isso é importante pois alguns inimigos possui fraquezas a determinados tipos de elementos, assim como acontece em ReCore. Existe um habilidade que podemos considerar como um especial do Star Lord, onde pressionando LB mais RB paramos por uns segundos a batalha e se agrupamos onde os personagens se reúnem um momento, como se fosse um tempo técnico de uma partida de basquetebol onde Peter Quill tenta motivar os Guardiões da Galáxia assim todos os personagens ganham um buff temporário.

Assim como nos filmes do diretor James Gunn que dirigiu os dois filmes dos Guardiões da Galáxia, no jogo temos uma excelente lista de músicas de muito bom gosto selecionada pela equipe da Eidos Montréal, não são as mesmas músicas dos álbuns Awesome Mix Vol. 1 e Vol. 2 porém são músicas tão boas quanto, que vai de Iron Maiden á Never Gonna Give You Up de Rick Astley. Essas músicas podem ser tocadas na Milano a qualquer momento e também são executadas após ativar o especial do Senhor das Estrelas. Entretanto Guardiões da Galáxia da Marvel também conta com músicas autorais da banda Star Lord, que na verdade é a banda do diretor de áudio de Guardiões da Galáxia da Marvel Steve Szczepkowski que teve a ideia de inserir de forma fictícia para dar mais imersão ao jogo e influenciar também em uma parte da nova origem do protagonista. 

A dublagem brasileira do jogo conta com as vozes dos mesmos dubladores dos filmes, que é muito bem feita para o jogo nos lembrando ainda mais da versão dos cinemas, mas com a aparência de alguns personagens diferentes como é o caso de Drax, Peter e Rocket mas esse não é um problema se você assim como eu já acompanhou os personagens de Guardiões da Galáxias em outras mídias como quadrinhos e animações. Na verdade o trabalho da Eidos Montréal na criação da sua versão dos Guardiões da Galáxia ficou excelente, pois mescla um pouco do que conhecemos nos cinemas com as versões dos quadrinhos da Marvel que tem algumas diferenças comparando com a que é apresentada nos cinemas, acredito que algumas pessoas irão estranhar este fato, porém eu não acho que seja algo que atrapalhe a experiência do jogador.

A dificuldade de Guardiões da Galáxia da Marvel é bem interessante, em tempos onde mais pessoas estão começando a jogar videogame, a Eidos Montréal disponibilizou um sistema bastante interessante de acessibilidade para que todos os jogadores consigam jogar do começo ao fim sem dificuldades, isso porque no menu de dificuldade é possível selecionar as clássicas dificuldades já pré estabelecidas que conhecemos por Fácil, Normal e Difícil, porém existe a possibilidade de alterar o valor do Dano Causado aos inimigos ou ao Dano Recebido, alterar o período de vulnerabilidade entre muitas outras coisas, ou seja o estúdio deixou para os jogadores escolherem qual a dificuldade mais se encaixa com o seu perfil.

Guardiões da Galáxia me conquistou com o primeiro filme da Marvel Studios que me fez na época ir atrás das histórias em quadrinhos e conhecer ainda mais sobre os personagens, e a Eido Montréal conseguiu criar sua versão do grupo e do universo da Marvel de forma muito convincente, que me fez querer conhecer melhor esta versão de cada um desses heróis espaciais. Observando do começo ao final do jogo fica nítida a evolução de cada personagem, eles realmente constroem laços de uma família que eu acabei me apegando, muito pelo protagonismo do Peter Quill. Cada escolha reflete em pequenas ajudas lá na frente, neste momento eu estou começando a jogar no New Game + e estou fazendo novas escolhas, acredito que não mude drasticamente a narrativa, porém pode alterar alguns detalhes do jogo. A galeria dos personagens e alguns itens de texto fazem qualquer fã da Marvel parar para ler e buscar alguma referência de quem é o personagem que estão comentando ou onde ele já apareceu antes nos quadrinhos. A jogabilidade é bem divertida recheada de opções na hora do combate que quando está tudo bem eu acabava esquecendo de utilizar os outros Guardiões, porém quando a coisa apertava a ajuda deles é essencial. Se você já conhece os personagens vale muito a pena dar uma chance para a nova versão dos Guardiões da Galáxia da Marvel para se divertir com o Drax não entendendo diversas expressões do nosso dia-a-dia e com os planos mirabolantes que Rocket quer por em prática a todo momento.

Marvel’s Guardians of the Galaxy pode ser adquirido através da Microsoft Store .

**O game foi gentilmente cedido pela Square Enix para essa análise.

Análise do Arena

Guardiões da Galáxia da Marvel traz uma equipe já formada porém ao decorrer da campanha conseguimos notar uma grande evolução no pensamento dos personagens. Com diversas cenas divertidas, o novo jogo da Eidos Montréal conseguiu explorar muito bem o passado de personagens chave trazendo um drama que muitos com certeza vão se surpreender.

9.5
Surpreendente
  • História 10
  • Trilha Sonora 10
  • Gameplay 9
  • Gráficos 9

Receba notificações de todas novidades sobre Xbox.

Se Inscrever
Notifique me
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitarLer Mais

0
Amamos sua participação, por favor comente!!!x
()
x