Setembro Amarelo
O silêncio pode dizer muita coisa.

Ion Fury – [Análise do Arena]

Uma volta ao passado com responsabilidade

Publicado pela 1C Entertainment e desenvolvido pelo estúdio Voidpoint em parceria com a consagrada 3D Realms, o FPS de ação Ion Fury finalmente foi lançado para os consoles, após uma pequena exclusividade para o PC em 2019. O game é uma clara homenagem ao clássico dos anos 90, Duke Nukem. Inclusive, utiliza a mesma build engine, trazendo toda a nostalgia para o jogador, com muitos sprites 2D.

  • Uma única força policial

Em Ion Fury, jogamos com a badass Shelly “Bombshell” Harrison, enquanto defendemos as ruas de NEO DC do cientista transhumanista, Dr. Jadus Heskel e suas criaturas bizarras. Com um enredo bem simples e piadas ácidas, você deve atirar em tudo que encontrar pela frente, utilizando um vasto arsenal de armas e encontrar cartões magnéticos que estão espalhados pelos cenários, para assim, avançar pelas fases, que são complexos labirintos poligonais e pixelados. E como manda o figurino de Duke Nukem, as fases são repletas de segredos e entradas secretas.

Ion Fury
  • Shelly poderia ser neta de Duke

Se a ideia era fazer uma homenagem ao clássico Duke, Ion Fury acerta em cheio com Shelly “Bombshell” Harrison. A personagem possui todas as características de Duke, como suas piadinhas tiozão, mas com a diferença de que a personagem usa e abusa de temas atuais, adaptadas ao novo século. Apesar de ser um grande destaque, pode-se tornar cansativo com o passar do game, pois elas se repetem ao excesso.

Ion Fury 2
  • Gameplay como ele deve ser

Aqui não tem invenção e bem deveria ter. A movimentação de Shelly é rápida e fluida, sem muito tempo para pensar. O game possui uma jogabilidade bem simples, com fases divididas em três estágios e sem pausas. Ao chegar no final do setor, você saberá pela imagem de uma caveira na porta, que logo se inicia uma nova área. Mas é bom ficar atento, especialmente se você é um novato, pois é muito fácil se perder pelo cenário. E claro que para encerrar uma fase, nada como explodir um chefão e seus lacaios robotizados. E você verá muitas explosões, com sangue jorrando.

Ion Fury 5
  • O visual retrô tem muito estilo

O visual de Ion Fury é um maravilhoso retrô 3D, com vários elementos do cenário e inimigos em 2D. Praticamente tudo pode ser derrubado ou quebrado. Vale ressaltar que até as cabeças dos inimigos mortos em combate podem ser chutadas. E quanto mais você avança, mais notáveis ficam as referências com Duke Nukem, como dar descarga nas privadas, comer pizza do chão, entre outras coisas.

Ion Fury 3
  • Qual estilo musical combina com um jogo de ação e explosão?

É claro que não poderia faltar uma trilha sonora com o mais puro suco do metal anos 90, enquanto você estoura tímpanos, come pizza do chão e destrói tudo que vê pela frente. A música não para nem por um segundo. E falando especificamente do áudio, é fácil saber se todos os inimigos da área foram abatidos, pois os inimigos ao todo momento estão procurando por você e guardando posição.

Ion Fury 7
  • Duke aprova

Ion Fury é uma clara homenagem aos FPS dos anos 90, que ao mesmo tempo consegue ser original e manter sua identidade. Caso você não tenha conhecimento da importância e o quão desafiador eram os jogos dessa época, terá um certo trabalho para se adaptar, mas tenha certeza de que será recompensado com uma ótima experiência.

Ion Fury 4

Adquira o game por R$ 92,45 através da Microsoft Store.

Ion Fury é uma clara homenagem aos FPS dos anos 90, que ao mesmo tempo consegue ser original e manter sua identidade.

7.7
Nostálgico
  • Gameplay 8
  • Gráficos e Áudio 8
  • Enredo 7
Se Inscrever
Notifique me
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitarLer Mais

0
Amamos sua participação, por favor comente!!!x
()
x