Contra: Rogue Corps – [Análise do Arena]

Devolvam meu Contra

Desenvolvido e publicado pela Konami, a série Contra foi lançada ainda na era dourada dos 8 bits e perdurou consideravelmente em alta até os anos 90. Sua jogabilidade run and gun agradava desde os veteranos até os não familiarizados com a franquia. E após um longo hiato, durante a E3 2019, a publisher anuncia o tão aguardado retorno, agora, com Contra: Rogue Corps. Será que a longa espera valeu a pena?

  • Alguém anotou a placa?

A saga Contra nunca foi marcada por uma história profunda e com plot twists. Muito pelo contrário. A eterna guerra futurista entre alienígenas e a resistência humana sempre foi o foco e funcionava muito bem. Correr pelos cenários 2D, mandar bala em tudo que estivesse em sua frente e derrotar chefes gigantescos era a receita perfeita para ficar horas e horas se divertindo, afinal, o jogo era bem difícil. Em Rogue Corps, apenas uma cidade ainda está sob ameaça de uma nova raça. E para exterminá-la, quatro mercenários “diferenciados” são convocados: Kaiser (badass, fumante de charuto), Srta. Harakiri (uma espadachim que carrega um alien em sua barriga), BV (um cyberpanda) e Cavalheiro (um alien com sotaque britânico.

  • Não corra e atire

Diferentemente de seus antecessores, Rogue Corps possui visão isométrica, que em determinados momentos de gameplay, faz com que o olhar diagonal travado, mude a perspectiva do jogo. E com isso, o twin-stick shooter entra em ação, mas não funciona tão bem quanto você espera. A tentativa de renovar não funciona e pode frustrar os jogadores. Cada um dos mercenários possui uma arma secundária, que pode ser considerado um poder especial, mas o efeito não é muito diferente dos causados pelas armas principais. Eles podem ser usados após o sistema resfriar, fazendo com que você saiba usá-los de maneira correta. Mais uma vez, a dinâmica é atrapalhada, fazendo com que você literalmente esqueça os anos dourados da série.

  • O que mais chama atenção da Cidade Maldita?

Como todo o bom de grupo de mercenários, eles são atraídos por dinheiro e muito mais. Por se tratar da última cidade infectada por aliens, ela possui materiais e itens raros, que possuem alto valor no mercado negro. Após cada missão executada (e repetidas em exaustão), você pode usar os recursos coletados e visitar a oficina em busca de uma nova arma ou conhecer a ala de cirurgias para fazer atualizações. Embora possa ser interessante, os upgrades não trazem muita diferença durante o gameplay.

Falando nos inimigos, não espere por vilões marcantes ou coisa do tipo. A curiosidade fica por conta do ataque ser em hordas e do visual bizarro dos chefões.

  • Graficamente falando…

Por estarmos falando de um jogo que carrega o nome da Konami, era de se esperar um visual caprichado. Poderiam ser gráficos simples e cartunescos, mas o level design chega a ser desanimador. Cenários bem pobres e genéricos, sem nenhum refinamento e efeitos especiais dos anos 60, das piores obras fictícias. Não podemos esquecer do delay do game, fazendo com que a jogabilidade seja prejudicada. Apesar de tantos problemas, o áudio de Rogue Corps consegue cumprir bem seu papel, mas com relação aos diálogos, o game tenta soar “engraçadinho” (excesso de piadas), mas no final das contas, é só meio bobo.

  • O multiplayer é a salvação

Não podemos esquecer que Contra: Rogue Corps traz o multiplayer online, que faz com que as monótonas missões fiquem mais interessantes ou mais irritantes, pois apesar do esforço (??), a jogabilidade é um fator que prejudica quase 100% da diversão de qualquer jogo. Mas jogar com um amigo, sempre será mais divertido, trazendo também a nostalgia do multiplayer de sofá.

A customização dos mercenários é algo inédito na franquia e consegue deixar as partidas mais interessantes, visualmente falando. Além da possibilidade de comprar e vender suas armas, mas não poder carregar mais que duas em cada missão.

  • Resumo

Verdade seja dita, que desde sua revelação, Contra: Rogue Corps não empolgou ninguém e deixou os fãs da franquia bem desconfiados. Se você esperava por aquele clássico 2D de correr e atirar, só que mais modernizado, irá ficar desapontado. Caso você fique feliz com uma renovada na franquia, o game pode lhe agradar, apesar das inúmeras ressalvas.

3
Abaixo do esperado

Definitivamente, Rogue Corps não é o Contra que esperávamos. A decisão de renovar a série foi um tiro na água.

  • História 3
  • Design 3
  • Gameplay 3
Você pode gostar também