Conheça A Cadabra Games – [Profissão Indie]

Hoje vamos falar um pouco mais sobre carreira no quadro Profissão Indie!

Nossos convidados hoje são da Cadabra Games, empresa que levou nada mais nada menos que o prêmio de Melhor Jogo Brasileiro na BIG Festival de 2019!

Para ficar um pouco melhor, falaremos com os 3 responsáveis por esse trabalho incrível, então vamos para a entrevista!

AX: Na Cadabra Games hoje temos quantos Profissionais? E quais são suas especialidades?

Somos em 3 profissionais, sendo todos sócios da Empresa. Diogo Carneiro é o Artista e Game Designer, Thiago Targino é nosso programador e Thiago Carneiro o produtor.

AX: Como foi o seu começo de carreira de cada um de vocês? Vocês já queriam trabalhar com games ou foi algo recente?

Diogo: Eu já tinha feito alguns freelances, como ilustrador, para card games. Mas nunca imaginei trabalhar diretamente criando jogos. Porém sempre fui um jogador aficionado por games e, quando um amigo me apresentou ao Unity, vi que era possível criar nosso próprio jogo e resolvi entrar de cabeça na área.

Thiago Targino: Nunca trabalhei com o desenvolvimento de jogos. Antes de entrar na faculdade começamos a desenvolver o projeto, então meu primeiro contato com a programação foi no jogo e apesar de jogar bastante nunca havia pensado em trabalhar com o desenvolvimento de games.

Thiago Carneiro: Venho de uma carreira na área de Finanças, passando por duas empresas em setores diferentes: Mercado Financeiro e Construção pesada. Sempre atuando em áreas ligadas à investimentos. Minha carreira na área de Games é algo bem recente. Praticamente começou com o convite do meu irmão para fazer parte da Cadabra. Antes era só como player mesmo!

AX: Vocês têm algum “pilar”, algum exemplo a seguir como profissional?

Diogo: Um artista que me inspirou muito em um ponto de minha carreira, foi o Dan Luvisi, por ele sempre frisar o quão importante era criar algo próprio e não apenas trabalhar para outras pessoas/empresas.

Thiago Targino: John Forbes Nash Jr e Alan Turing.

Thiago Carneiro: Gosto muito de usar o pessoal da Supergiant como inspiração quanto à produção de games. A empresa conseguiu produzir jogos espetaculares com uma equipe bem enxuta. Para negócios em geral, Ray Dalio.

AX: Como foram os estudos na área? Por onde vocês passaram até aqui?

Diogo: Eu já tinha a bagagem de ilustração e arte. Mas depois que decidi criar o próprio jogo, tive que passar noites estudando sobre modelagem 3D, rigging, animação, programação, vfx, shaders, etc…

Thiago Targino: Comecei a programar há muito pouco tempo, basicamente aprendi e continuo aprendendo pela faculdade e pesquisando tão intensamente quanto na faculdade por fora.

Thiago Carneiro: Colocando a mão na massa e quebrando a cara. Não tive qualquer estudo formal na área de Produção de Games antes de entrar na Cadabra. Costumo usar muito os materiais já disponíveis na internet para pesquisar algum assunto específico. Vídeos da GDC, palestras, discussões no Reddit, etc.

AX: Tem algo que vocês estudaram que não gostaram?

Diogo: Rigging.

(O rigging é uma técnica de animação em 3D que adiciona movimento a um personagem simulando articulações de acordo com sua linguagem corporal e natureza estrutural, ou seja, o seu esqueleto.)

Thiago Targino: UI – User Interface.

(UI é a sigla para a frase User Interface que para o português é significa Interface do Usuário. São todas as formas de interação que o jogador tem no jogo como os controles do mouse, teclado e joystick. A UI pode ser também todas as partes de interface do usuário com o jogo como o inventário, o mapa e os menus em geral.)

Thiago Carneiro: Dando continuidade à pergunta anterior, como todos sabemos na internet tem muita informação dispensável, portanto temos que ter muito cuidado com o que nos baseamos para a tomada de decisão, fazendo o máximo de pesquisa possível em um determinado assunto. Coletar variadas visões sobre um assunto ajuda a filtrar o que funcionou com outras empresas/projetos.

AX: Falando ainda nos estudos, o que vocês ainda querem estudar?

Diogo: Shaders e VFXs!

(Shader é a renderizaçao das imagens graficamente construídas em ambiente 3D, para melhor definição, resolução e visualização, onde o Hardware “constrói” virtualmente a imagem que nós exibimos. Visual Effects (Efeitos Visuais), são os vários processos pelos quais imagens e efeitos são criados e manipulados fora do contexto de uma gravação de vídeo a fim de criar ambientes realistas, que seriam impossíveis, ou perigosos de serem capturados diretamente em filme.)

Thiago Targino: AI e grafos. 

(AI ou IA ou Inteligência Artificial é a emulação de um cérebro em máquinas através de softwares, para que elas possam tomar decisões de forma autônoma. Um grafo é um conjunto de pontos, os vértices, alguns dos quais estão ligados por curvas, as arestas – quem disse que não existem matemática nos games, hein? Os vértices são usados para representar as diferentes situações do jogo, e as arestas para descrever as possíveis passagens de uma situação para a outra.)

Thiago Carneiro: Publishing – (Editoriais)

AX: Que dicas cada um de vocês daria ao público iniciante? Qual a melhor maneira de começar?

Diogo: Na prática. Comece um projeto, pequeno ou grande, mas termine-o.

Thiago Targino: “A habilidade só é desenvolvida por horas e horas e horas de surra em seu ofício” – Will Smith.

Thiago Carneiro: Acho que o velho clichê de começar, independentemente de onde o iniciante estiver. Nada melhor do que a prática para ‘se encontrar’. Seja qual área for, sem experiência prática fica difícil saber para onde ir. Fazer projetos para ter um portfólio, mesmo que não sejam lançados. Enfim, acredito que a parte teórica pode ser estudada em paralelo.

AX: O que vocês acham do mercado de games atualmente? O que esperam desse crescimento absurdo?

O mercado está imenso, existem muitos consumidores, porém criar um jogo ficou muito mais fácil e o número de desenvolvedores também subiu. Acho que o importante não é ficar apenas especulando sobre o mercado, e sim focar em seus projetos buscando um diferencial que só você pode oferecer em seu jogo.

Como em qualquer indústria, a qualidade dos jogos e o suporte pós-venda vai se tornar cada vez mais um diferencial para se destacar dentro de tantos estúdios. Quanto ao o que esperar, acredito que pela concorrência de atenção que temos com outras formas de entretenimento (Netflix, Facebook, Instagram, etc) a qualidade dos games independentes tende a melhorar para conseguir atrair e fidelizar os players.

AX: Em relação ao número de vagas e oportunidades de emprego, Brasil e Mundo. O podemos esperar na opinião de vocês?

Sempre existirá oportunidades para aquela pessoa que realmente se dedica e busca aprofundar seus estudos.

AX: Quais foram os maiores desafios que tiveram nessa sua jornada antes da Cadabra Games?

O maior desafio foi superar os medos de entrar em uma área totalmente nova para todos nós, começar o projeto numa área muito diferente do que estávamos acostumados a trabalhar.

AX: Falando na Cadabra Games, como vocês se conheceram e como começaram esse novo desafio?

O Thiago Carneiro é meu irmão e o Thiago Targino é primo de minha esposa. Foi meio que da noite para o dia que convidei o Thiago Targino para começar um projeto comigo. O projeto foi evoluindo e convidamos meu irmão para fazer parte da equipe.

AX: Momento Spoiler. Vimos na BGS 2018 que você está trabalhando no Adore certo? O que podemos esperar dele e quais as novidades?

Em breve abriremos o Early Access! O jogo está muito mais evoluído do que na BGS. Tanto em mecânicas novas como em conteúdo (criaturas, mapas, etc). Não posso revelar muito mais do que isso! 🙂

AX: Devido ao sucesso na BGS 2018, a Cadabra Games participará das próximas edições?

A BGS 2018 foi inacreditável para gente, superou todas expectativas. Mas esse ano não participaremos, para conseguirmos focar todos esforços em finalizar o jogo.

AX: Além do Adore, existem outros projetos hoje em desenvolvimento?

Não. Apenas namorando ideias.

AX: Vocês têm interesse em lançar os jogos para o Xbox?

Sim! O jogo será lançado para o PC consoles como o Xbox e PS4 já estão em nossos planos.

AX: Falando agora sobre a BIG Festival, como foi participar desta edição de 2019?

Olha, só de ter o Adore como um dos finalistas em duas categorias, sendo que em uma delas de melhor Arte e os únicos brasileiros na disputa com jogos de primeira linha do mundo inteiro, já foi sensacional! E claro, disputar o título de melhor jogo Brasileiro com tantos jogos bons foi uma honra imensa.

AX: Vocês já esperavam ganhar como melhor game brasileiro?

Essa foi nossa primeira participação no BIG. O evento estava incrível. A estrutura para os visitantes e a área para a galera fazer negócios estavam impecáveis. Claro que no fundo torcíamos muito para ganhar! Mas só de ser finalista num evento tão importante da indústria já era um reconhecimento e tanto do nosso trabalho. Agora ganhar como melhor jogo brasileiro, até hoje parece um sonho!

Agradecemos a equipe da Cadabra Games pelo tempo e pelas respostas! É um enorme prazer tê-los aqui no Arena Xbox!

Lembrando que o game Adore está próximo de ser lançado na Steam.

Para conhecer mais desse trabalho incrível confira os links da Cadabra Games:

Curtiu nossa entrevista? Quer que esse projeto continue? Então nos ajude com seu feedback e dê sua sugestão nos comentários!

Nos vemos na próxima!

Receba notificações de todas novidades sobre Xbox.

Inicie a discussão na Comunidade Arena Xbox